Máquina do Mundo

– Onde Estou?
– Seja bem vindo ao CPD do universo.
– CPD?
– Sim, o Centro de Processamento de Dados. Eu sou Moros, o…
– O Programador do Destino.
– Então você me conhece.
– Claro que conheço. Por toda a minha vida tentei me libertar do programa que você escreveu para mim. Mas foi em vão. Tudo que fiz para escapar, apenas me prendeu mais ainda a ele.
– Nem tudo foi em vão. Venha, quero lhe mostra algo.
– O que é isso?
– É a máquina do mundo. Vamos, olhe para dentro dela. O que vê?
– O código fonte do meu destino… está desaparecendo… Mas por quê?
– Você finalmente conseguiu o que queria. Enfim, se tornou senhor de si mesmo, dono de seu próprio destino.
– Livre… eu estou livre. LIVRE!
– Parabéns Hércules.
– Por favor, me chame de Alciedes. Hércules, agora, está morto.